Guilherme Cardoso de O Sanchez  |  Tupã, SP

Reflexos do novo normal

Esta série de registros busca evidenciar os reflexos da realidade vivida por muitas pessoas devido ao agravamento da Pandemia. Empresas e lojas fechando as portas, pessoas perdendo seus empregos e não conseguindo levar o sustento para casa. Moradia que muitas vezes é alugada e devido a falta de pagamento, a única saída é a rua. A busca por outra fonte de renda, mesmo que seja fazendo ''bicos'' ou malabarismo no semáforo (a vida de forma geral tem sido um grande malabarismo). A caixa registradora vazia de dinheiro, mas repleta de boletos, aguardando um público que não aparece, devido às necessidades momentâneas mais urgentes. Filas e mais filas de pessoas a procura de emprego, aguardando atendimento médico ou até mesmo esperando pelos programas sociais do governo que mais parecem migalhas do que uma real ajuda. Profissionais do setor de evento sem auxílio ou qualquer tipo de amparo do poder público, porque não são considerados essenciais. Contas se acumulando sem parar, as crianças cada vez mais imersas no mundo da tecnologia para que não incomodem os adultos já perturbados e vivendo a base de remédios para manter a linha diante de todo o caos. Tudo e todos já vivem um limite extremo. Um limite que levará muito tempo para retornar ao normal. Talvez o novo normal já faça parte do nosso cotidiano mas ainda não percebemos. Reflexos de tempos passados nos mostram outro modo de vida, com alegria, sonhos, perspectivas e crescimento. Para enfrentar esse momento que estamos vivendo, acreditar na ciência é o melhor caminho, mas não perder a fé é muito importante para que nossa essência se preserve e consigamos passar por mais este desafio.