Zé Barretta  |  São Paulo, SP

Vittorio

Documentar o dia a dia doméstico é algo bastante natural para qualquer fotógrafo, especialmente depois do nascimento do filho e claro que num período tão inesperado quanto de uma quarentena não poderia ser diferente. Vittorio, meu filho único, tem 4 anos e como qualquer criança é muito ativo e demanda bastante atenção, está entediado ao mesmo tempo em que parece compreender a gravidade da situação. Nesse pequeno ensaio caseiro busco uma certa ambivalência de sentidos e impressões, o contraste entre luz e sombra, claro e escuro, numa fotografia despojada, espontânea, vernacular, algo que anseia a experiência real mas falha duplamente: na ilusão da fotografia como espelho do mundo e da paternidade como espelho da alma. Seria esta uma metáfora?