MARISTELA COLUCCI  |  Ilhabela, SP

Um quintal, uma vizinha, um outono

Mudei-me de casa na segunda semana da quarentena. Nos primeiros dias percebi-me com tempo e serenidade de sobra para entender a nova morada, seus cheiros, sons, luzes. Tinha todas as horas do dia para espiar a trajetória da deliciosa luz de outono e de suas sombras no quintal. Enquanto via folhagens, varal, chuveirão, bicicleta terem – cada qual a seu tempo – suas formas impressas nos muros brancos, tirava das caixas de mudança meus objetos afetivos. Juntei a esse caldeirão de novas experiências o afeto à amiga-agora-vizinha. UM QUINTAL, UMA VIZINHA, UM OUTONO é o reflexo em mim de todas essas vivências e percepções.