Anderson   |  São Paulo , SP

Movediça

Nessa obra eu mostro o trajeto casa-trabalho. Retrato a realidade de muitos paulistanos moradores das periferias ao fazerem longas viagens até os seus locais de trabalho ou em busca de emprego que geralmente estão e são na região central. Para isso a grande maioria utiliza o transporte coletivo, o resultado são pessoas desgastadas por conta da rotina e esse cansaço é o reflexo do percurso que precisam obrigatoriamente traçar e caminhar. São muitos os fatores no trajeto que levam ao cansaço, só que o meu recorte é o 'olhar', o olhar que essas pessoas durante a viagem fazem ao ver pela janela tantos fragmentos, tantos mistérios, tanto caos alheio e isso de certo prisma puxa a pessoa para baixo. Mesmo em um momento pandêmico essa rotina para o cidadão pobre não mudou tanto, diminuiu um pouco a circulação, mas a cidade de São Paulo ainda se move com seus olhares e incertezas. Foi daí que pensei no nome movediça, dando relação, claro, a movimento, percurso e o sufocamento social e existencial. A areia movediça é um fenômeno natural que se forma quando um grande fluxo de água preenche espaços existentes sobre finas partículas de areia que se encontram soltas. Se acontecer de um indivíduo começar a afundar na areia o importante é que ele não se movimente, pois o movimento faz com que a areia se comporte como líquido e faz com que o indivíduo afunde ainda mais.