Jéssica Sousa Faria  |  Sorocaba, SP

SOBREVIDA

Este projeto fotográfico nasce da necessidade de registro das ações artísticas, performativas, realizadas dentro do projeto de pesquisa “O tensionamento afetivo nas relações entre corpo e cidade através do Programa Performativo no espaço urbano” (PIBIC/CNPQ - 2019). O projeto propõe a realização de um Programa Performativo que tem como ação principal a Deriva dos participantes no centro de São Paulo, a pesquisadora como mediadora desta ação registra os eventos da experiência para desdobra-los na Intervenção Urbana SOBREVIDA/DES-OLHAR(2019). A imagem nesta pesquisa foi investigada a partir da ideia do ver apresentada por Didi Hubermann (1988) que é transcrito por Palhares no artigo sobre a exposição Levantes (2017): “ O ver é antes uma operação que se dá no espaço intersubjetivo no qual aquilo que vemos também nos olha, nos inquieta, nos perturba, nos agita.” Neste sentido, as fotografias são um elo da relação estabelecida entre a pesquisadora e o objeto/paisagem, o espelho foi utilizado como um elemento impulsor, revelador de outros ângulos e perspectivas do centro histórico de São Paulo. Na efemeridade da rotina dos centros urbanos, como a cidade comporta e reflete nossas existências? esta indagação permanece viva mesmo após a finalização do projeto. O movimento contínuo dentro da imagem, a imagem sendo um lugar entre a memória e o esquecimento.