Rodrigo Bello Marroni  |  Porto Alegre, RS

Reflexos Líquidos - Seu reflexo é maior que você mesmo

Reflexos Líquidos (Seu reflexo é maior que você mesmo) Na série, busquei refletir sobre o momento de instabilidade e transformações que estamos vivendo em tempos de pandemia. Uma série realizada em margens, na intenção de captar a energia e a plasticidade que este tipo de ambiente proporciona. Todas as fotografias da série foram realizadas na costa brasileira, entre Rio de Janeiro e Santa Catarina. As beiras, as costas, são locais de inspiração, propulsores de transformações, de contemplação de horizontes, externos e internos. Estamos repensando e reavaliando princípios e atitudes, as mudanças ocorrem primeiramente dentro de nós, em processos e pensamentos muito íntimos. É importante pensarmos em um renascer como indivíduos e como sociedade. Encontrei, na estética minimalista, uma maneira de potencializar a forma dos reflexos. A forma em evidência e desconstruída, (de)formada e reformulada pela liquidez, desafiando a forma original, reequilibrando aquele reflexo de ser no mundo. Um processo de contínua construção e desconstrução. São imagens frágeis congeladas pela fotografia. O espelho d’água se move, a cada onda, surge e desaparece, regido por marés e ventos. O reflexo líquido distorce a imagem, desfigura a ponto de perdermos as referências, que parecem portais para outras dimensões que vivem fora da nossa limitada realidade visual. O efêmero e instantâneo reflexo, revela uma nova identidade, uma marca pessoal impossível de ser repetida, como se a impressão digital de nossos dedos mudasse a cada olhar. Coloca em evidência a impermanência da imagem e da estrutura vigente, assim como dos saberes, a vulnerabilidade do conhecimento, novos parâmetros, o incompreendido, os mistérios e a capacidade de regeneração. Os brancos e cinzas em formas abstratas que circundam as figuras formam uma atmosfera atemporal, representam o espaço invisível onde tudo acontece. Os movimentos da água, geram na superfície, onde se forma o reflexo, um efeito ótico semelhante a de um bug digital conhecido como “Glitch”, onde a imagem aparece esticada em certos pontos. O Glitch, por bastante tempo, foi apenas considerado um “erro”, a tradução literal significa “falha”, porém, hoje em dia, já faz parte da estética contemporânea. Essa aparência de glitch, natural, me parece bastante oportuna, visto que muitas das mudanças, transformações e adaptações pelas quais estamos passando, ocorrem no universo digital, no campo virtual, na internet e nas redes sociais. Nenhum efeito adicional foi acrescentado às imagens em pós-produção. Na arte e na ciência , um “erro” pode ser considerado um “acerto”, e até mesmo, a representação do norte de um novo caminho a ser trilhado. Refletir é necessário. Essas imagens representam momentos de transformação, revoluções interiores e renascimentos.