Rosana Andrade Afonso   |  Regente Feijó , SP

Ressureição

A partir da criação de uma máscara de coelho da Páscoa, surge o experimento e o redescobrimento desta sacro-comemoração, em meio à desenfreada crise político-sanitária do COVID-19 no Brasil. Em um sem-números de dias no imaginário infantil, a fala através dos gestos silenciosos da imagem, denunciam o afeto, através do riso, mas também da solidão condicionalmente imposta. Outros fatores diretamente relacionados à expressão performática, permeiam implicitamente o ensaio, e sutilmente transpassa a crua estética, e escapa nos detalhes uma organização intrínseca à sua classe social, refletida no espelho. Uma performance político-poética. Uma provocação às questões do nosso tempo.