João Mendes Neto  |  Canela, RS

REFLEXOS DO RIO NEGRO

Este ensaio de cunho artístico-documental foi realizado durante a cheia recorde de 2009 no Rio Negro e no arquipélago de Anavilhanas, reflexo das mudanças climáticas que vêm provocando maiores secas e mais cheias no Amazonas. As fotografias exploram os reflexos das águas do Rio Negro na época da cheia, formando imagens às vezes abstratas, às vezes simétricas, outras documentais. Todas as imagens foram captadas digitalmente, e utilizou-se de manipulação digital pela técnica de HDR - High Dynamic Range, para acentuar a dramaticidade das cenas, criando desse modo imagens que intrigam por sua irrealidade gráfica. Na mata foram explorados graficamente, o bicromatismo dos tons cinzas e verdes, seus contrastes e as simetrias na reflexão que as águas negras do rio proporcionam, partindo de uma visão panorâmica até chegar a uma criação quase abstrata de galhos e folhas em uma composição especular. São explorados as formas e texturas das árvores e folhas refletidas, que formam padrões gráficos simétricos à primeira vista, distorcidas em um segundo olhar, onde se aproximam do abstrato quando fotografadas em ângulo fechado e do irreal quando aparecem em plano aberto. As nuvens na época da chuva, acentuam os contrastes destas na iminente formação de tempestades, dramatizando as imagens no momento de sua captura pelo enquadramento ou pelo seu contraste com o rio. Nas margens, a fotografia se aproxima do documental, identifica-se a ação humana refletida na vida e na morte, no limiar entre o chão firme e o Rio Negro. A saturação das cores e contrastes desloca a estética jornalística para um pictorialismo digital, levando dúvida à veracidade do real.