Nica Fochesatto  |  Porto Alegre, RS

Diante do tempo

Entre paredes e janelas, busquei conversar sobre as sensações do isolamento prolongado com a minha avó. Há tempos ela já habitava majoritariamente esse espaço da casa e dos lutos. Contava das perdas de conexões e, principalmente, das conexões com ela mesma. Se percebia viva pelos espelhos e imagens reveladas. Falava da velhice como um peso, uma distorção de si. Com o intuito de materializar sensações, através dos reflexos - sejam por espelhos, pela sombra ou pela própria luz - fiz esse ensaio com propósito de construir uma ligação direta com a maneira como ela mesma se via. Através de suas revelações, consegui criar um espaço físico para abrir diálogo para reconstruir, junto com ela, essa percepção de si enquanto ainda estamos vivas.