Daniel Bones  |  Vila Velha, ES

Reflexões e Desabafos

"Com pouquíssima liberdade, as vezes me sinto preso, não só por correntes ou por paredes, mas, sim pelas coisas da vida. A Brisa suave bate na janela, mas não posso sentir, pois estou preso numa cela, só posso ouvir o som do vento batendo nela. No passado eu errei, e quem eu amava machuquei, preso estou, depois muito tempo, nada mudou... Preso nas cadeias da solidão, da consciência pesada e da dor no coração. É difícil relembrar, tento esquecer, mas a noite tudo volta pra me assombrar. Muitos disseram palavras pra me animar, ou meios para a saída eu encontrar, mas, tinha sempre saudade da suave brisa do mar, passando lentamente pelo meu peito, não queria sentir um vazio, queria dar um jeito de ouvir um assobio, sentir a paz, que é difícil encontrar neste lugar, fechado e obscuro e como uma grande pedra está duro, firme e difícil de remover, será que um dia vou voltar a ver, ver o paraíso, as folhas caindo, o grande valor de um sorriso, pensando no futuro que vai surgindo, nossa, imagino o mundo lá fora, estou preso no meu mundinho de fantasia, sem alegria e sem amor, nossa como o tempo demora... Um dia, cansado de toda essa desilusão, o meu lado escondido conseguiu se libertar, lembrei-me das palavras que disseram pra me ajudar, com esse incentivo, esse meu lado ficou mais forte, já imaginava como seria novamente a brisa que vinha do norte. Ajoelhei-me, fechei meus olhos e comecei a chorar, pensei no meu passado e, em tudo que poderia mudar. Elevei meus olhos para o céu e clamei, perguntei a Deus qual era o meu papel, chorei e senti aquela grande pedra sumir, por um momento parei, a Deus agradeci, e da prisão da minha alma me libertei, e com calma sai e tentei novamente sentir a brisa suave que sempre passava por aqui."