Marcos Antonio Ramos Esteves  |  Nova Friburgo, RJ

Sobrevivência

Meu trabalho gira em torno do reflexo da paisagem social e política de uma cidade. utilizando como material, fotografias tiradas diariamente nos anos de 2020 e 2021 na cidade de Nova Friburgo, Rio de Janeiro ( Brasil) e  reunidas, em documentação sobre as fronteiras invisíveis de uma cidade partida entre ricos e miseráveis. Uma sensação de desamparo me oprime, sentimento que me atormenta quando vejo as dramáticas imagens que faço diariamente da rua  da cidade que moro. Elas inauguraram um cenário que se tornou cotidiano, cada vez mais  pessoas estão sobrevivendo do lixo. Muito em função da crise econômica que o país atravessa muito pela Covid-19.  As fotos  revelam a paisagem humana dos  brasileiros, Isto é, as imagens captadas  fazem pensar, provocam uma reflexão sobre os fatos descritos, carrega  por assim dizer  uma carga apocalíptica do mundo. A primeira lição que aprendemos com a pandemia é que a crise atual está intrinsecamente ligada a uma crise econômica e de emprego. As medidas de quarentena e de distanciamento social que vêm sendo adotadas em todo o mundo, por meio do desligamento parcial da economia, têm aprofundado as desigualdades econômicas e sociais que já precederam a pandemia.  O termo "empreendedor ", introduzido pelo atual governo Brasileiro, destaca a vulnerabilidade do trabalhador que sem emprego busca nos lixos a sua sobrevivência economia, arriscando a vida sem nenhuma  proteção social e sem acesso aos direitos trabalhistas. " Sobrevivência" é a narrativa visual de um país  marcado por tensões sociais que só cresceram nos últimos 10 anos. Esse ensaio traz o registro do dia-a-dia dessas pessoas, fala de um lugar que precisa ser visto como parte importante da cidade, lugar de  superação diária que influenciam a cultura urbana e a própria cidade.