Carlos Alberto Pontalti  |  Florianópolis, SC

SUCESSÃO DISTÓPICA | Indícios do Antropoceno

Me valendo da natureza documental da fotografia, registro cenas que apresentam pistas do modo de vida de uma sociedade consumista, de ritmo acelerado e cada vez mais distante dos ciclos naturais. As imagens produzidas são índices, uma espécie de anunciação, alertam para as leis de causa e efeito, portanto, elas não ilustram a tragédia em si mas trazem os sinais de sua iminência. O título foi concebido através de uma fusão de conceitos. A sucessão, pela ótica da ecologia, fala sobre as estratégias naturais de um ecossistema que passou por uma situação de declínio e gradualmente inicia um processo de recomposição desde as comunidades pioneiras até atingir seu clímax, ponto máximo de desenvolvimento e autorregulação. A distopia, o antônimo da utopia, é trazida como reforço da ideia de que é preciso atentar aos sinais do Antropoceno. Esse último termo cunhado pelo químico Paul Crutzen, faz menção ao aumento de poder humano sobre os ecossistemas, sendo uma das possíveis consequências a auto-extinção. O conjunto de fotografias foi produzido na Ilha de Santa Catarina, entre os anos de 2018 e 2021.