Mariana Katona  |  São Paulo, SP

Lumes

Lumes (2021) parte da premissa de juntar os reflexos emitidos de telas digitais em um corpo que gesticula diante da mesma. A ideia é elaborar uma mistura de fragmentos de corpo junto desse particular reflexo que as telas emitem. O corpo preso entre pixels fotografados pelo reflexo da tela na captação evidencia um espelho particular do nosso tempo. Os meios que hoje nos possibilitam ir para outros lugares sem sair de casa são também, curiosamente, uma espécie de grade. Quem está aprisionado afinal - o corpo eternizado no reflexo de LEDs ou quem a olha? Pixels, peles e gestos compõem a série Lumes concluída no isolamento de 2021. O conjunto de fotos serve de metáfora da sensação de estar diante de um corpo prisioneiro perante uma superfície tão contemporânea que são as telas digitais, a fim de problematizar nossa própria condição de expectador diante desses reflexos. Nossos olhos isolados buscam refúgio nas mídias que nos rodeiam. Movem-nos a compor e caçar um imaginário possível de fuga de nós mesmos e da realidade. Melancólica e pueril em algumas medidas, elas nos levam ou nos prendem? O intuito do presente ensaio fotográfico é enaltecer essa ambiguidade latente na imagem que consumimos. Reflexo que é o efeito causado pela possibilidade de embarcar na imagem, ao mesmo tempo que de senti-la enclausurada no mecanismo das telas.